Orientações pós-operatórias aos pacientes

As chamadas orientações pós-operatórias são de extrema importância para a recuperação e cicatrização de uma ferida cirúrgica após uma extração dentária. Na verdade essas recomendações à seguir devem ser seguidas à risca e servem para qualquer cirurgia de extração dental, incluindo o dente do siso.

Orientações pós-operatórias:

  • Morder a compressa de gaze por cerca de 20 minutos;
  • Evitar cuspir nas primeiras 24 horas, pois estimula o sangramento da região operada;
  • Não colocar o dedo, nem mexer na região operada e não falar muito;
  • Esperar a anestesia passar para se alimentar; cuidado para não morder o lábio anestesiado;
  • Ao deitar, manter a cabeça um pouco mais alta (usar dois travesseiros). Evitar deitar sobre o lado operado;
  • Evitar exercícios físicos de 3 a 7 dias (cada dentista vai orientar o tempo de repouso segundo cada caso);
  • Não fumar;
  • Não consumir bebidas alcoólicas por 7 dias;
  • Não ficar exposto ao sol ou em locais fechados muito quentes nas primeiras 48h;
  • Escovar os dentes normalmente, evitando a região operada;
  • Não fazer bochechos por 48 horas;
  • Aplicar compressas geladas por 5 minutos ajuda a diminuir o edema
  • Em caso de hemorragia (sangramento excessivo), comunicar o dentista imediatamente;
  • Tomar a medicação prescrita pelo dentista;
  • Retornar ao dentista na data marcada para avaliação pós operatória e retirada das suturas;

Atenção à sua alimentação:

  • Líquida ou pastosa, fria ou gelada nas primeiras 48 h;
  • Sorvetes, gelatinas, pudim, iogurte, açaí na tigela;
  • Pastosa, morna depois de 48 h;
  • Purê morno, macarrão, sopa não muito quente;
  • Voltar a comer normalmente depois de 4 dias, tomando cuidado para não mastigar sobre a ferida;
  • Beber bastante água.

Uma cirurgia pode trazer inúmeras complicações que devem ser explicadas antes aos pacientes. Dependendo do caso, o local operado poderá sofrer inchaço, manchas roxas e até dormência. Na grande maioria dos casos, esses sintomas são reversíveis entre 7 a 10 dias.  Em outros casos, o paciente pode sentir dores musculares momentâneas logo após o procedimento e até uma dificuldade de abrir a boca (trismo) que na maioria dos casos melhora depois que o inchaço diminui.

Alguma dúvida? Alguma recomendação? Deixe sua opinião nos comentários.

Um Abraço,

Rafael Fabre Rodrigues Souza

A cárie

 

A cárie é uma doença bucal ainda com a maior prevalência no Brasil. Doença debilitante que pode levar a perdas de órgãos importantes para a mastigação, deglutição, respiração e fonação – os dentes.


A cárie é silenciosa no início. Chega de mansinho, se aproveita de “micro buracos” que fazem parte da anatomia do seu dente. Se aproveita da sua dieta rica em sacarose. Se aproveita da sua preguiça em higienizar seus dentes. A cárie é uma doença multifatorial – depende da presença das bactérias causadoras da doença, do tempo de exposição do hospedeiro a essas bactérias, da condição de saúde geral do hospedeiro, da saliva e principalmente da dieta. Cárie é uma doença Biofilme-Açúcar Induzida.

A cárie pode passar de um dente para o outro. Seu principal protagonista é um bichinho de nome estranho que todo mundo tem na boca: Streptococcus mutans. Esse carinha aí, se junta com seus amiguinhos mal intencionados, se aproveita do açúcar da sua dieta e produz ácidos que vão desmineralizar a superfície mais dura do corpo humano – o esmalte dentário. Até aí a lesão de cárie é indolor e só pode ser encontrada pelo olho treinado do dentista, somado aos materiais para o exame clínico bucal.

O que ajuda a cárie a se formar e a progredir?

– Sua boca ficar com pH ácido ajuda na desmineralização do esmalte. Isso ocorre, por exemplo, quando você está ingerindo refrigerantes e sucos de fruta de caixinha. Mamães: acostumem seus filhos a beber água! Ainda mais se vocês moram em uma região em que a água é fluoretada!

– A dieta rica em sacarose. Sabe aquelas crianças que ficam chupando bala e comendo chocolate o dia todo? Que ficam até com manchas de chocolate nos cantos dos lábios e na ponta do nariz? Então … Não somos contra o consumo de doces, mas deve-se sempre escovar os dentes depois do consumo de qualquer alimento. Organize uma hora certa para comer doce. Limite o refrigerante. O controle da dieta é fundamental para evitar cáries.

– Se o fluxo e a qualidade salivar estiverem alterados. Isso pode acontecer por causa de problemas de saúde geral ou síndromes congênitas. Por exemplo, um dos sintomas do diabetes é a xerostomia – diminuição do fluxo salivar. Esse paciente tem seu risco de cárie aumentado.

– Açúcar na mamadeira. Isso é terminantemente proibido! Causa cáries horríveis e de rápido desenvolvimento, trazendo muito sofrimento para as crianças, para os pais e para os dentistas. Ninguém gosta de ver bebês com dentes apodrecendo.

– Pacientes gestantes devem tomar cuidado. A dieta da mulher grávida sofre uma mudança drástica e é aí que mora perigo. Tudo bem você, gestante, abraçar o pote de sorvete e consumi-lo junto com brigadeiro, desde que ao final do refeição você faça sua higiene bucal corretamente.

– Envelhecimento – retrações gengivais ao longo do envelhecimento podem revelar partes da raiz do dente que não têm esmalte para se proteger. A cárie de dentina tem rápido desenvolvimento e pode ocorrer naquelas regiões próximas da gengiva.

– Se você não escovar seus dentes e não passar fio dental corretamente e frequentemente, seu risco de cárie será aumentado. Crianças menores de 9 anos necessitam da supervisão de um adulto durante a higiene bucal. Prezada mamãe ou papai: Não adianta dar bronca no seu filho de 6 anos – “Tá vendo moleque! Só come doce! Não escova os dentes! Relaxado!” – enquanto o dentista conta as cáries dele no exame clínico. A dieta da criança é controlada pelos pais, assim como a higiene bucal.

– Se vocês não ficarem espertos, papai e mamãe, em momentos especiais como a erupção dos molares nos seus filhos. Olhando na boca, os molares de leite são os últimos 2 dentes, nos cantos de cada arcada. São os maiores dessa dentição: O 1º molar de leite vai nascer quando a criança tiver 1 ano ou 1 ano e meio.  O 2º molar de leite nasce aos 2 anos, ou 2 anos e meio. O 1º Molar permanente vem aos 6 anos de idade e o 2º aos 12 anos. Esses são os momentos chave para a prevenção de cáries nesses dentes tão importantes. Alguns dentistas recomendam aplicação tópica de flúor, no consultório, nessas idades. Dá até pra saber quando levar seu filho ao dentista.

Vale lembrar:

1) Não é para deixar dente de leite cariar, com pensamento: “É de leite … vai cair mesmo!”. A não ser que você, mamãe ou papai, queira deixar seu filho banguela e traumatizado.

2) Os molares permanentes nascem atrás de todos os dentes. Eles não trocam por nenhum de leite. Alguns pais confundem e acham que o permanente é de leite porque não houve troca. Cuidado!

O dente quando nasce é mais frágil. Ele sai de um meio fechado e praticamente livre de bactérias direto para o meio bucal – aberto e lotado de micro organismos. Até o dente formar uma proteção mais consistente junto com a saliva, ele fica vulnerável. Aí que entra o flúor, nosso grande aliado, mas que deve ser usado racionalmente.

Eu sei que antigamente, lá pelos anos 80 e 90, era comum haver uma pequena rixa entre as crianças para ver quem tinha menos (ou mais) cáries. Hoje, este panorama mudou. Porém, ainda temos muito trabalho para fazer.

LINKS ÚTEIS SOBRE O ASSUNTO:

– Cárie em dente de leite – Tio Dentista

– Cárie dentária: Como evitar? – Vida de Dentista

– Cárie é inevitável – Medo de Dentista

– Cuidado: beijar pode dar cárie – Ortoblog

– Cárie dentária: Foi culpa do aparelho, doutor? – Ortodontia para Todos

– Cáries e o mau hálito – Saudálito

Um Abraço

Rafael Fabre Rodrigues e Souza

10 Erros que você está cometendo com seus dentes

A revista Time publicou um artigo muito bacana chamado “10 mistakes you´re making with your teeth“, listando 10 erros muito comuns nos hábitos das pessoas em relação ao cuidado com os dentes.

O artigo teve co-autoria de duas dentistas norte americanas, Dra. Alice Lee e Dra. Alison Newgard. Confira abaixo o TOP 10 😉

  • Usar as Mídias Sociais “como seu dentista”

A Internet está lotada de soluções do tipo “Faça você mesmo” no ramo da saúde bucal. Clareamentos caseiros, uso de produtos diferentes (e duvidosos) para escovar os dentes e opiniões baseadas em achismos e receitas antigas. Essas informações podem trazer muitos malefícios aos seus dentes. Procure por informação de qualidade, em sites que realmente se preocupam em orientar sobre saúde bucal. Aqui do lado direito da postagem, na nossa lista de parceiros, você pode encontrar uma gama gigantesca de informações de qualidade sobre saúde bucal. Obviamente, consultar um dentista duas vezes ao ano é a prevenção que você precisa para evitar problemas com sua saúde bucal, além de escovar os dentes e passar fio dental todos os dias.

  • Escovar os dentes logo após as refeições 

Ainda existe muita confusão quando se fala neste assunto. Atualmente, sabemos que um dos grandes problemas bucais que estamos enfrentando é a Erosão Ácida. Nossa dieta é cheia de armadilhas ácidas que vão aos poucos descalcificar nosso esmalte dentário. Se você tomar um copo de suco de laranja, refrigerante ou bebida alcoólica e escovar seus dentes logo depois, você estará contribuindo para o desgaste do seu esmalte. Isso mesmo. Ainda mais se você escova os dentes com muita força. É preciso esperar de 20 a 30 minutos para escovar os dentes após ingerir qualquer alimento ou bebida. É o tempo necessário para que a sua saliva transforme o pH ácido da sua boca em básico.

  • Não beber a quantidade suficiente diária de água

O simples ato de beber água na maioria das regiões aqui do Brasil já fornece uma quantidade básica de flúor que ajuda na prevenção de cáries. Além disso, beber cerca de 2 litros de água diariamente evita a boca seca, ajuda contra o mau hálito e ainda contribui para o bom funcionamento do metabolismo corporal.

  • Usar piercings linguais, labiais ou na região de freio labial

Não estamos questionando os gostos das pessoas, mas qualquer piercing colocado na região da boca tem um alto potencial de causar problemas. Antes de assumir este risco, você precisa refletir sobre os possíveis malefícios desses aparatos. Acúmulo de bactérias, inchaço pela presença de corpo estranho, retração de gengiva, dentes quebrados e lascados, machucados que não saram e até câncer bucal são males associados aos piercings bucais. Estudos comprovam que quanto mais tempo você usa um piercing bucal, maiores são as chances de você ter um problema como os que foram listados acima.

  • Evitar radiografias para exames odontológicos

Algumas pessoas ainda ficam com o pé atrás quando se trata de exames radiológicos pedidos pelo cirurgião dentista. Hoje em dia, a exposição à radiação diminuiu muito em comparação ao passado. Aparelhos digitais, aparelhos com calibração diferente e tempo de exposição mínimo são as novidades da área que trazem mais segurança aos pacientes e facilidades de diagnóstico para os cirurgiões dentistas. Radiografias são exames complementares importante que podem identificar cáries entre os dentes, cistos, abcessos, ajudam no diagnóstico do tratamento de canal, colocação de implantes dentários e etc.

  • Realizar outras tarefas enquanto escova seus dentes

O tempo é precioso nos dias de correria em que vivemos. Então, escovar os dentes enquanto você realiza outras tarefas parece que aumenta a eficiência do seu tempo, correto? Errado! É preciso prestar atenção na hora de escovar os dentes. Ele se torna um ato tão mecânico da nossa rotina, que nem prestamos atenção se estamos limpando todas as superfícies de todos os dentes. Reserve um tempo de no máximo 5 minutos para fazer sua higiene bucal em frente ao espelho, sobre a pia, prestando atenção. Conheça sua boca. Perceba se há sagramento, aftas, algum dente lascado ou quebrado, pontos escuros ou esbranquiçados estranhos nos dentes. Feridas que demoram a cicatrizar. Passe fio dental em todos os dentes uma vez ao dia, sem pressa. Não escove os dentes olhando seus emails ou seu Facebook na tela do celular, ou vendo a novela, ou andando pela casa.

 

  • Se preocupar demais com a limpeza da sua escova de dentes

Segundo pesquisa do CDC (Centro de Controle de Doenças) norte americano, não existe evidência científica de alguém ter ficado doente por causa da sua própria escova de dentes. Nada de ferver a escova em água ou colocar na máquina de lavar. Lavar a escova com água corrente da torneira, secá-la com um pequeno pedaço de papel e colocá-la de pé sem que fique em contato com outras escovas ou superfícies já está de bom tamanho quando se trata de limpar sua escova. Guardá-la dentro de um armário fechado é uma boa também, visto que coliformes fecais se espalham pelo banheiro se você der descarga com a privada aberta. Trocar a escova quando ela começar a ficar gasta e com as cerdas fora de posição (no máximo 3 meses) também evita acúmulo de bactérias.

  • Ignorar o bruxismo diário ou noturno

Não deixe de visitar um cirurgião dentista quando perceber os primeiros sintomas do bruxismo. Muitas vezes é o cônjuge ou parceiro que se dá conta de que você está rangendo seus dentes enquanto dorme. O bruxismo pode causar problemas dentais, dores de cabeça, problemas mandibulares e articulares severos. Em muitos casos, o uso de uma placa miorrelaxante rígida noturna pode atenuar os sinais e sintomas dessa doença complexa.

  • Fumar

Não é novidade para ninguém que fumar faz mal para a boca. Fumar é um fator predisponente do câncer bucal, além de manchar os dentes, “esconder” problemas gengivais importantes, alterar a micro-circulação da gengiva, ressecar a boca, causar mau hálito e atrasar processos cicatriciais importantes. Quem apresenta doenças periodontais (problemas de gengiva e dos tecidos em volta dos dentes) tem dificuldade de melhora porque a nicotina dificulta no combate às infecções.

  • Não ir dentista regularmente

Os brasileiros ainda tem o hábito de procurar um cirurgião dentista apenas quando um problema bucal está instalado. A visita ao dentista como prevenção é de extrema importância para evitar problemas. As consultas são mais simples e os tratamentos ficam mais baratos. Ainda existe muito medo relacionado ao dentista como algo cultural na população. Os métodos mudaram, os tratamentos são menos invasivos e mais confortáveis e tudo isso fica melhor ainda se os problemas forem evitados preventivamente do que esperar a dor ou o buraco no dente aparecer. Visitar seu dentista uma ou duas vezes ao ano é certeza de boca saudável e livre de cáries e doenças da gengiva.

Um abraço,

Rafael Fabre Rodrigues e Souza

Alimentos que danificam os dentes

Os nossos dentes são responsáveis pela mastigação dos alimentos, e a mastigação por sua vez, é ideal para que a digestão dos alimentos ocorra naturalmente. Os dentes são extremamente importantes, e por este motivo é que devemos cuidar deles através da escovação adequada, e da consulta a um dentista de tempos em tempos.

Existem alguns alimentos que danificam os dentes, se esses alimentos forem consumidos com frequência, é certo que os dentes sofrerão danos. A seguir estaremos mostrando quais são esses alimentos, após saber quais são eles, você deverá evitar o consumo exacerbado dos mesmos.

Uma curiosidade desses alimentos é que eles danificam os dentes no decorrer dos anos, isso significa que os danos não ocorrem de um dia para o outro. Por esta razão é que devemos ter muita cautela na hora de selecionarmos os alimentos que vão para a nossa mesa.

Doces e chicletes: Os doces são bastante consumidos aqui no Brasil. Mas a pejoratividade do doce vai além da Diabetes, os doces são um dos fatores no surgimento de cáries dentárias. O maior problema é consumir os doces fora de hora e demorar muito para escovar os dentes. Por isso é interessante haver hábitos e rotinas, além do controle da dieta, principalmente das crianças.

Os chicletes com açúcar e chocolates também agem da mesma forma. Esses alimentos são verdadeiros inimigos dos dentes. Além de prejudicarem os dentes, os doces são inimigos das dietas, ou seja, quem busca emagrecer de verdade deve consumir os doces com extrema cautela.

Bebidas alcoólicas: As bebidas alcoólicas são bem ácidas, e tal acidez corrói os dentes e o esmalte de proteção, o que inevitavelmente torna os dentes sensíveis. Por esta razão, caso seja adepto de bebidas alcoólicas, procure consumi-las moderadamente.

Café: Essa notícia com certeza irá desapontar a maior parte dos  leitores, visto que o cafezinho é a segunda bebida mais consumida no Brasil. O fato é, o café apesar de ser delicioso, pode danificar os nossos dentes. Esse dano ocorre pelo fato dele propiciar manchas nos dentes, devido à sua pigmentação.

Os chás também agem da mesma forma. Tais bebidas junto com o café podem manchar os dentes. Para amenizar os efeitos negativos de tais bebidas, procure realizar uma escovação cerca de 20 minutos após ingeri-las.

Refrigerantes: Sempre eles, diga-se de passagem. Bom, o refrigerante é um grande inimigo da saúde em geral, e além disso ele prejudica os dentes. Por esta razão devemos evitá-lo. Isso ocorre por dois motivos: primeiro, os refrigerantes são altamente açucarados. Segundo: sua acidez afeta negativamente o esmalte dos dentes.

Se por ventura a pessoa optar pelos diets, a acidez dessa bebida corroerá os dentes de qualquer forma, o que não adiantará de nada optar pelo refrigerante sem açúcar. É muito importante não escovar os dentes logo após tomar refrigerantes. Isso vai aumentar o dano causado pela erosão ácida.

Além de haver os alimentos que agridem os dentes, existem também os hábitos peculiares que algumas pessoas possuem. Esses hábitos muitas vezes ocorrem até inconscientemente. Por este motivo devemos ficar atentos para que os mesmo não ocorram, veja quais são:

1. Palitar os dentes;

2. Colocar caneta na boca, ou qualquer objeto do mesmo tipo;

3. Roer unhas (típico de indivíduos ansiosos);

4. Fumar;

5. Utilizar os dentes como abridor de embalagens ou garrafas;

Com exceção do cigarro, todos os demais hábitos aparentemente são inofensivos, mas na verdade eles podem causar sérias complicações aos nossos dentes.

Fluorose Dentária – Uso consciente do Flúor

Hoje existem inúmeros sites e pessoas que afirmam que o flúor é um veneno maléfico. Isso não é verdade, se o flúor for utilizado de maneira consciente, ele previne uma das piores e mais prevalentes doenças do mundo – a cárie. A cárie é mutilante, faz com que as pessoas percam seus dentes precocemente, causando depois uma série de outros problemas bucais, gerais e até sociais. O importante é se proteger contra a cárie, sem exagerar e ficar marcado pela fluorose.

fluorose

A fluorose dentária acontece quando o germe dentário (dente em formação) é exposto a altas concentrações de flúor. Portanto até os 6 anos de idade, o ser humano precisa ser acompanhado pelos pais e pelos dentistas para não haver consumo de flúor exagerado. O excesso de pasta de dente fluoretada ingerida por acidente, a falta de regulação dos níveis de flúor na água de abastecimento e principalmente a desinformação dos pais podem acarretar as características manchas brancas assintomáticas causadas pela fluorose. Geralmente, afetam dentes de maneira simétrica (se um canino superior do lado esquerdo tem a mancha branca, o canino superior do lado direito muitas vezes vai ter também). Essas manchas são internas, já “nascem” com os dentes e não trazem nenhum problema estrutural.

fluorose 3

A fluorose, em alguns casos, pode se apresentar de maneira mais severa com manchas amarronzadas ou com o aspecto de esmalte mais poroso. Tudo vai depender de quantidade e do momento da exposição. Por isso sempre digo aos meus pacientes: flúor é importante, mas deve-se ter muito cuidado, tratá-lo como um remédio.

Siga as dicas abaixo para evitar manchas de fluorose nos dentes dos seus filhos:

  1. Mantenha pastas de dentes fora do alcance das crianças.
  2. As escovações devem ser feitas e supervisionadas pelos pais ou responsáveis SEMPRE até os 7 ou 8 anos de idade.
  3. Usar pasta com flúor em todas as idades. Usar pouquíssima quantidade (ver imagem abaixo)
  4. Levar seus filhos ao dentista (odontopediatra) para avaliação e prevenção.
  5. Amamentar seus filhos por 6 meses ou mais, quando possível. Procurar orientação do dentista se for misturar leite em pó em água fluoretada.
  6. Os pais, munidos de informação séria podem tomar decisões para cada caso. Por exemplo, quem quiser usar pasta de dente sem flúor, pelo menos leve seu filho com mais frequência ao dentista para avaliação e prevenção e tenha certeza que seu município tem água fluoretada. O equilíbrio de medidas vai ser suficiente para prevenir a cárie e evitar fluorose.

quantidade de pasta de dente

1 – De 0 a 3 anos; 2 – De 3 a 7 anos (não sabe cuspir); 3 – acima de 7 anos (sabe cuspir)

E quando as manchas já estão presentes nos dentes? O que fazer? 

fluorose 2

Aí é hora de procurar o cirurgião dentista. Justamente, pelo fato de que o olho “destreinado” do leigo não consegue distinguir uma mancha branca de cárie ou de fluorose. Fazendo a anamnese (avaliação inicial com histórico médico e odontológico) e com o exame clínico, é possível diagnosticar as manchas e assim partir para o tratamento. Lembrando que as manchas brancas podem se confundir com cárie ou com deficiências de esmalte de outras causas.

Muitas manchas de fluorose leve não incomodam esteticamente as pessoas. Nos casos que incomodam, o cirurgião dentista pode optar por várias formas de tratamento como a micro-abrasão, o clareamento, etc.

Um Abraço,

Rafael Fabre Rodrigues e Souza