7 dicas sobre como limpar e guardar sua escova de dentes

Se você digitar “como limpar a escova de dentes?” no Google, vai encontrar centenas de informações diferentes sobre este tema. Não há consenso definitivo sobre higienização e armazenamento das escovas de dentes. O que sabemos é que as cerdas das escovas podem se tornar criadouros de bactérias e conter coliformes fecais.

Veja 7 dicas de ouro para deixar sua escova limpa e livre de bichos!

Dinossauro na escova

Nossa escova de dentes mora no banheiro. Um local inóspito com circulação de coliformes fecais por causa das atividades que nós e as pessoas que moram conosco realizam por ali. Onde seria um bom lugar e a maneira correta de guardar sua escova de dentes? É bom deixar ela coberta ou descoberta? É preciso usar produtos para fazer a higiene da escova antes ou depois de escovar seus dentes ?

Primeiro de tudo: escova de dentes não se divide com ninguém! As bactérias da sua boca e as do ambiente vão estar ali nas cerdas e podem passar para outras pessoas no caso de uso compartilhado (ou pior ainda – você pode receber bactérias de outra pessoa). É importante lembrar que isso pode ser muito ruim se você usar a sua escova de dentes nos seus filhos, por exemplo.

EVITE PRODUTOS CASEIROS. USE O PRODUTO CORRETO. 

Água oxigenada? Vinagre? Água e sal ? Você vai encontrar algumas sugestões caseiras de produtos de fácil acesso para limpar a sua escova de dentes. Porém, que tipo de substância estamos procurando? Uma que possa matar bactérias sem causar mal para as cerdas da nossa escova e sem causar mal para nós mesmos. O anti-microbiano mais eficaz do mercado atual é o Digluconato de Clorexidina, ou Gluconato de clorexidina ou apenas clorexidina. Sua concentração para uso na cavidade bucal é de 0,12%. (Essa substância é largamente utilizada e é o produto que substituiu o antigo composto no antisséptico conhecido como “Merthiolate”).

ONDE ACOMODAR SUA ESCOVA DE DENTES E COMO HIGIENIZAR?

  1. O indicado por microbiologistas é que a escova fique em um copo, com as cerdas voltadas para cima, de preferência sem escovas junto – se as escovas encostam podem passar contaminantes uma para a outra;
  2. Ela não deve ser coberta com nenhum dispositivo ou capa plástica ;
  3. Não deve ser guardada em armários;
  4. Após o uso, você pode bater o cabo na borda da pia para eliminar a umidade e secar as cerdas com folhas de papel descartáveis;
  5. Não seque sua escova com toalhas ou panos;
  6. Aspergir uma solução de Gluconato de Clorexidina a 0,12%. Antes de usar, molhe a escova levemente antes de colocar a quantidade de pasta de dentes para escovar;
  7. Sua troca deve ser realizada em no máximo 3 meses ou quando as cerdas estiverem desarrumadas;

A alegação dos estudiosos é que capas plásticas protetoras colocadas sobre escovas molhadas acabam se tornando locais propícios para crescimento de bactérias. Com a ação de aspergir clorexidina sobre as cerdas, temos a certeza que o antisséptico vai limpar aquele dispositivo que colocamos na boca duas vezes ao dia!

A clorexidina pode ser adquirida pelos produtos conhecidos como Perioplak, Noplak, Periogard, Cariax entre outros ou em farmácias de manipulação com receita do seu dentista.

IMPORTANTE: não use essa solução para escovar os dentes e apenas use para bochecho com orientação do seu cirurgião-dentista 😉

Um Abraço,

Rafael Fabre Rodrigues e Souza

Perdi um dente, e agora?

Você acha que perder dentes é algo tranquilo? Você fala para o seu dentista que “pode rancar” e depois a gente vê o que faz? A falta de apenas um dente pode fazer sua boca ficar toda desregulada. Dentes vão se movimentar, articulações vão se adaptar a condições ruins e muitos problemas podem ocorrer.

Ed-Helms-Tooth

Os dentes se encaixam todos bonitinhos na mordida correta. Cada um tem sua função e ocupa seu lugar específico na arcada. A mera falta de um faz com que o antagonista, dente que morde junto com ele na arcada oposta, comece a ficar sem função e sair do lugar, para fora da gengiva. Com uma mordida instável os dentes ficam em constante movimentação.

Os dentes vizinhos ao dente perdido precocemente podem se mover também e querer tomar o lugar vago do “amigo”que saiu. Aí você tá sem dente de um lado, vai mastigar mais do outro, né? Vai sobrecarregar o outro lado, desbalancear a articulação da mandíbula e assim por diante. Sem contar os desgastes e pequenos traumas oclusais que podem acontecer pela posição incorreta dos dentes no longo prazo.

perda-de-dentes-e-suas-consequecias.

Se o dente não for substituído logo pode ser que em um futuro próximo não haja espaço para o dentista colocar uma prótese no lugar. E para resolver um problema que era a perda de um dente, vai ser preciso mexer em vários outros dentes com tratamentos que podem ser mais demorados. Imagina então se você perde dois ou três um dentes?

A falta de dentes pode causar além da sobrecarga em dentes remanescentes: dores articulares, uma mastigação ineficiente trazendo possíveis problemas de estômago e com a digestão, cárie nos dentes vizinhos porque as superfícies ficam expostas e mais difíceis de escovar, perda óssea na região – quando um dente sai do seu lugar todo arcabouço ósseo e gengival ao redor dele se perde, tornando mais difícil a reabilitação do local. Ainda mais se for em região estética, nos dentes da frente.

Hoje em dia a substituição de dentes perdidos pode ser feita através de implantes dentários. Então pense duas vezes, até três se precisar, antes de pedir para o seu dentista “arrancar” seu dente se ele tiver tratamento e puder ficar na sua boca! Como já dizia uma antiga paciente minha: “Deus nos dá os dentes duas vezes. Depois tem que pagar.”

Lembrando que extrações indicadas pelo seu cirurgião dentista como tratamento – seja ele ortodôntico para ganhar espaço na arcada ou com finalidade protética – não entram no que falamos anteriormente, já que o profissional está incluindo essa extração em um plano de tratamento odontológico. Para não perder dentes de maneira precoce, basta fazer sua higiene bucal com frequência e sempre passar em seu dentista para procedimentos de prevenção.

Um Abraço,

Rafael Fabre Rodrigues e Souza